Blog Técnicas e Práticas Empresariais

//Blog Técnicas e Práticas Empresariais

O Blog Técnicas e Práticas Empresariais é um espaço de aprendizagem colaborativa com discussão de temas relevantes para promoção da reflexão e partilha de conhecimento, opiniões e experiência.

Clique abaixo para aceder ao último tema.

Fórum Dezembro: Motivação nas Empresas – Clique aqui para aceder

A MOTIVAÇÃO DAS PESSOAS NAS EMPRESAS

Imagem1

Neste mês apresentamos a debate um tema de interesse para os gestores, colaboradores e todos, em geral.

Falamos dos vários processos de Motivação disponíveis nas empresas, existentes para integrar, envolver, dinamizar e desenvolver novas competências nos colaboradores, melhorando o seu desempenho e satisfazendo as suas necessidades individuais e da própria empresa.

A Motivação é fundamental para qualquer empresa que deseje vencer os seus obstáculos no século XXI. É a Motivação que mantém os níveis da produtividade de uma empresa e os níveis de satisfação das equipas.

“No futuro as empresas competirão não só por clientes, mas também por Recursos Humanos”.

Uma das competências do LÍDER é a sua capacidade de MOTIVAR os seus colaboradores.
Os colaboradores devem ser motivados para os objetivos gerais da empresa, como entidade comum geradora de resultados, da mesma forma que devem ser motivados para os seus objetivos individuais, virados para a tarefa e de acordo com a função.

Este mês proponho-vos uma reflexão/debate sobre o tema: MOTIVAÇÃO

pesquise e/ou partilhe a sua opinião sobre quais são os fatores da motivação que o podem influenciar, inspirar, estimular, e até que ponto, a satisfação das suas necessidades básicas é suficiente para alcançar estes objetivos, e se deve haver também um enfoque noutros fatores motivacionais, como o enriquecimento das tarefas, o relacionamento, a comunicação, o compromisso ou a implementação de uma política de objetivos e de carreira.

Dê outros exemplos de elementos que possam ser utilizados pelos gestores, para melhorar o fator motivacional dos colaboradores no desempenho das suas funções, otimizar a gestão das suas equipas e do pessoal e finalmente, no atingir dos objetivos sociais e globais da empresa.

Podem usar exemplos para ilustrar a vossa opinião.

Para participar basta clicar em INSERIR COMENTÁRIO, não esquecendo de indicar o seu nome e curso para que o seu contributo seja avaliado. Os vossos comentários serão primeiro sujeitos à aprovação do professor pelo que podem não ficar imediatamente disponíveis.

Cotação: 20% da média da Unidade em estudo.

As atividades no Fórum de Discussão permitem debater e abordar novas ideias, visa o desenvolvimento e a discussão de temas atuais, no âmbito da formação.

Fico a aguardar as vossas participações com expectativa, o vosso contributo é muito importante para o sucesso deste fórum.

Bom trabalho e um bom Fórum para todos!

Sylvie Moreira

Novo Curso de Cozinha e Restauração

Novo curso CEAC: COZINHA E RESTAURAÇÃO

shutterstock_416591686_COZINHAlpPortugal é hoje considerado um dos melhores destinos da Europa para viagens de gastronomia e vinhos; a gastronomia portuguesa é sobretudo procurada pela sua autenticidadeligada à cultura e tradição dos destinos. Outras variáveis como a simplicidade, a hospitalidade, a ligação ao mar, o sabor e gosto, que constituem a dimensão imaterial da gastronomia portuguesa, são as que os turistas mais valorizam, as que lhes provocam maior satisfação, contribuindo fortemente para o enriquecimento da sua experiência turística e sendo determinante na intenção de revisita.

Na resposta a este desafio o sector da Restauração é agora uma das áreas de actividade com maior procura por Empreendedores, Restaurantes e unidades Hoteleiras por todo o país

A CEAC orgulha-se de responder a este desafio apresentando o seu novo Curso de Cozinha e Restauração.

Saiba mais aqui, clicando aqui.

No final exerça as funções de Cozinheiro, Chefe de Cozinha, Técnico de Catering, Pasteleiro, Empregado e Chefe de Mesa e de Bar, Gestor/Diretor de estabelecimento de Restauração ou similar.

Novas Aulas Virtuais

Novas Aulas Virtuais

shutterstock_150587615Este mês o apoio dos alunos CEAC nas Aulas virtuais passa ser suportado por uma nova ferramenta mais rápida, com suporte audio e vídeo em HD  para videoconferência, mensagens,  questionáriosvídeos, PowerPoint, e quadro de perguntas e respostas.

Esta ferramenta, denominada de BigMarker, está classificada entre as 10 melhores a nível mundial pelo site toptenreviews.

ttr_logo_blue

Nestas aulas apresentam-se, em tempo real, as mais variadas técnicas, práticas, novidades ou resolvem-se exercícios sobre os mais variados temas, esclarecem-se questões, confrontam-se pontos de vista e partilham-se experiências pessoais e profissionais.

Esta semana, no seu curso CEAC, receberá o habitual email e SMS com o dia e hora do agendamento da sua Aula e clique aqui para aceder. Até já!

bigmarker

 

2014-10-10_1205

 

 

 

 

Conseguir um emprego sem experiência

Consiga um emprego sem Experiência.

Conseguir um emprego sem experiência anterior, será possível?

balcon_destaqueÉ uma situação cada vez mais comum; procurarem trabalhadores, recém-formados, mas com experiência.  Mas… como obter experiência sem que seja dada a oportunidade de começar? Existem algumas estratégias o poderão ajudar a conseguir um trabalho na sua área de formação, mesmo sem experiência anterior.

Efectivamente, muitos empresários receiam que pessoas, embora qualificadas e com eventual potencial e talento, necessitem de demasiado tempo e formação para se adaptarem aos contextos específicos das suas empresas. Por outro lado muitos responsáveis de Recursos Humanos consideram as pessoas sem experiência, como desinteressadas, apáticas e que não souberam otimizar o tempo na procura de experiências e conhecimentos novos. No caso de jovens ou estudantes que não apresentem experiências substanciais além da sua formação base a impressão é ainda mais negativa; estes tiveram a disponibilidade e a flexibilidade de tempo, para formações e atividades complementares e não o fizeram.

Veja abaixo algumas dicas para contornar esta situação:

É conveniente que, para além de bem redigido, inclua informação relevante: experiência extra curricular (trabalhos de verão, etc…), formação/ cursos, participação em seminários/ congressos, contemplar atividades de liderança (delegado de turma, por exemplo), algum prémio de reconhecimento alcançado, entre outros. Se a sua área for direcionada para algo mais administrativo, que tal elaborar um plano de negócios, um estudo económico, uma coleção de moda, enfim… é uma excelente forma de complementar e demonstrar os seus conhecimentos.
Caso o seu caso seja a a apresentação de um portfólio e não tenha material suficiente, nada como colocar mãos à obra e criar algo fictício. É só imaginar que foi contratado para determinado projeto, desenvolver o mesmo e quando apresentar o seu portfólio numa empresa referir que prefere manter-se atualizado e aprimorar a sua técnica. O importante é que vejam as suas capacidades e que nunca dê a desculpa que não tem material necessário para apresentar.
É certo que o mercado está inundado com muitos e sobre diversas áreas, mas que tal escrever sobre aquilo que gosta ou, preferencialmente, sobre a área pela qual quer enveredar. Pode, inclusivamente, colocar e divulgar os seus projetos.
Não escolha só aqueles ligados à sua área. Enriqueça e treine as suas competências comunicacionais na área comportamental, como liderança, por exemplo, aposte nas línguas, em workshops de técnicas artísticas ou outros.
Não deixe escapar nenhuma nem tenha problemas de ‘começar por baixo’. É sempre uma maneira de iniciar, aprender e ir subindo dentro de uma empresa. De qualquer das formas, nada o impede de ir enviando currículos.
O recurso a programas de estágios de curta (não remunerados) ou de longa duração (remunerados) são também uma oportunidade de fomentar o acesso, por parte dos empregadores, a detentores de novas formações e competências e em simultâneo, promover a melhoria das qualificações e a reconversão da estrutura produtiva.

Para os formandos sem experiência esta é a primeira oportunidade de a ganhar e potenciar a sua integração no mercado de trabalho; se por outro lado tiver a oportunidade de se empenhar e demonstrar o seu valor e potencial, serão aumentadas as possibilidades de ficar a trabalhar na respectiva empresa.

fonte: sapo.pt

Fórum Novembro: Novas Tecnologias – Clique aqui para aceder

Já se imaginou a viver e sobretudo a trabalhar sem internet? Já imaginou um futuro em que muitas das empresas não são físicas mas apenas pessoas? Pessoas que trabalham a partir de casa ou de uma esplanada ou até mesmo de um parque enquanto acompanham as brincadeiras dos seus filhos? Onde não são necessários arquivos ou armários cheios até cima de pastas? Onde as pessoas trabalham de forma colaborativa numa mesma plataforma online, a partir de qualquer lugar e a qualquer hora? Onde as reuniões são feitas à distância?

Este cenário é a nova tendência incontornável à qual todos nós, em mais ou menos tempo nos teremos de adaptar, de forma direta ou indireta.

A influência da internet no nosso quotidiano fez emergir novas formas de relacionamento interpessoal, de reorganização de ordem social, novos mecanismos de distribuição de conteúdos e novos modelos de negócio. Paralelamente impulsionou a reflexão sobre os limites da liberdade individual, a salvaguarda dos direitos de autor e o risco da perda de produtividade laboral.

A Internet conferiu poder ao indivíduo, deu-lhe voz numa dimensão planetária. As empresas dão-lhe agora mais importância do que nunca, procuram marcar a sua presença reconhecendo que os seus públicos estão sempre ligados à web. Paradoxalmente insurge um sentimento de temor pela perda de uma imagem construída ao longo de anos que poderá desmoronar-se ao ritmo a que se desenrola a comunicação no ciberespaço.

O equilíbrio destas forças impõe-se. O espaço e o tempo comprimiram-se. Em duas décadas, o mundo definitivamente diminuiu! Nos últimos anos algumas áreas e determinados sectores de atividade têm vindo a passar por diversas mudanças, quer no seu quotidiano quer no seu modelo de negócio.

A revolução digital é um facto consumado. É impossível negá-lo ou ignorá-lo.

 Para o fórum mensal deste mês proponho-vos uma pesquisa/debate sobre a influência das novas tecnologias na vossa vida profissional e na atividade das empresas.

Como sugestão, podem refletir sobre algum dos seguintes assuntos:

– De que modo o vosso trabalho foi afetado/melhorado por influência das novas tecnologias?

– A relação com clientes, fornecedores, Estado e outros alterou-se?

– Qual o impacto das novas tecnologias no trabalho de rotina?

Cotação: 20% da média da Unidade em estudo.

Aguardo as vossas participações com expectativa, o vosso contributo é muito importante para o sucesso deste fórum!

Sylvie Moreira

 

Conseguir um emprego sem experiência

Consiga um emprego sem Experiência.

Conseguir um emprego sem experiência anterior, será possível?

balcon_destaqueÉ uma situação cada vez mais comum; procurarem trabalhadores, recém-formados, mas com experiência.  Mas… como obter experiência sem que seja dada a oportunidade de começar? Existem algumas estratégias o poderão ajudar a conseguir um trabalho na sua área de formação, mesmo sem experiência anterior.

Efectivamente, muitos empresários receiam que pessoas, embora qualificadas e com eventual potencial e talento, necessitem de demasiado tempo e formação para se adaptarem aos contextos específicos das suas empresas. Por outro lado muitos responsáveis de Recursos Humanos consideram as pessoas sem experiência, como desinteressadas, apáticas e que não souberam otimizar o tempo na procura de experiências e conhecimentos novos. No caso de jovens ou estudantes que não apresentem experiências substanciais além da sua formação base a impressão é ainda mais negativa; estes tiveram a disponibilidade e a flexibilidade de tempo, para formações e atividades complementares e não o fizeram.

Veja abaixo algumas dicas para contornar esta situação:

É conveniente que, para além de bem redigido, inclua informação relevante: experiência extra curricular (trabalhos de verão, etc…), formação/ cursos, participação em seminários/ congressos, contemplar atividades de liderança (delegado de turma, por exemplo), algum prémio de reconhecimento alcançado, entre outros. Se a sua área for direcionada para algo mais administrativo, que tal elaborar um plano de negócios, um estudo económico, uma coleção de moda, enfim… é uma excelente forma de complementar e demonstrar os seus conhecimentos.
Caso o seu caso seja a a apresentação de um portfólio e não tenha material suficiente, nada como colocar mãos à obra e criar algo fictício. É só imaginar que foi contratado para determinado projeto, desenvolver o mesmo e quando apresentar o seu portfólio numa empresa referir que prefere manter-se atualizado e aprimorar a sua técnica. O importante é que vejam as suas capacidades e que nunca dê a desculpa que não tem material necessário para apresentar.
É certo que o mercado está inundado com muitos e sobre diversas áreas, mas que tal escrever sobre aquilo que gosta ou, preferencialmente, sobre a área pela qual quer enveredar. Pode, inclusivamente, colocar e divulgar os seus projetos.
Não escolha só aqueles ligados à sua área. Enriqueça e treine as suas competências comunicacionais na área comportamental, como liderança, por exemplo, aposte nas línguas, em workshops de técnicas artísticas ou outros.
Não deixe escapar nenhuma nem tenha problemas de ‘começar por baixo’. É sempre uma maneira de iniciar, aprender e ir subindo dentro de uma empresa. De qualquer das formas, nada o impede de ir enviando currículos.
O recurso a programas de estágios de curta (não remunerados) ou de longa duração (remunerados) são também uma oportunidade de fomentar o acesso, por parte dos empregadores, a detentores de novas formações e competências e em simultâneo, promover a melhoria das qualificações e a reconversão da estrutura produtiva.

Para os formandos sem experiência esta é a primeira oportunidade de a ganhar e potenciar a sua integração no mercado de trabalho; se por outro lado tiver a oportunidade de se empenhar e demonstrar o seu valor e potencial, serão aumentadas as possibilidades de ficar a trabalhar na respectiva empresa.

fonte: sapo.pt

10 melhores práticas na gestão de projetos de investimento

shutterstock_129169499_redimensA Agência para a Competitividade e Inovação  (IAPMEI) lançou um manual para auxiliar os empresários nas candidaturas e gestão ao programa de apoio dos incentivos europeus, Portugal 2020. Neste documento, num total de seis páginas, apresentam-se um decálogo , das (dez) melhores práticas na gestão de projetos de investimento que beneficiam dos incentivos do Portugal 2020.

Entre as recomendações aponta-se a elaboração dos documentos técnicos, contabilisticos e financeiros a comprovar a realização do investimento, a demonstração de que os bens e serviços são adquiridos em condições de mercado, assegurar que os pedidos de pagamento são suportados com a documentação, certificar-se de as despesas ocorrem dentro dos tempos previstos, entre tantos outros.

Ministério da Educação reconhece e integra a Formação a Distância

shutterstock_194905331O Ministério da Educação reconheceu a importância da Formação a distância, passando a integrar o eLearning.

A partir deste ano lectivo, num projeto piloto em Lisboa e Mangualde para o curso de Línguas e Humanidades, é já possível alunos maiores de 18 anos concluírem o ensino secundário através da Internet. A partir das suas casas, os alunos vão ter aulas virtuais em que todos estarão ligados à mesma hora com o professor; em paralelo, existirão também sessões assíncronas durante as quais os alunos desenvolverão o seu estudo autonomamente, “desenvolvendo metodologias de trabalho não simultâneas”, explica a portaria publicada em Diário da República.

Uma escola que viaja para além das paredes da escola,
vencendo as barreiras geográficas da distância.

Saiba mais aqui: http://www.dge.mec.pt/ensino-distancia-0 

Fórum Outubro: Mobbing – Clique aqui para aceder

Mobbing: Assédio moral no trabalho

Imagem1

O que é o “Mobbing? É a violência moral ou psicológica no trabalho: atitudes ou comportamentos de violência moral ou psíquica em situação de trabalho, segregação e violência repetida ao longo do tempo de maneira sistemática ou habitual, que levam à degradação das condições do ambiente de trabalho, comprometendo a saúde ou o profissionalismo ou ainda a dignidade do trabalho.

Em inglês, “to mob” significa “agredir”.

Uma verdadeira praga social, um verdadeiro fenómeno de delinquência organizada, com três componentes: a vítima (o “mobizado”), o agressor(s) (Mobbers) e os cúmplices (os colegas, que compactuam de forma cobarde com o(s) mobber(s)).

Os efeitos do mobbing sobre a vítima são ansiedade, insónias, falta de apetite ou apetite excessivo, dores fortes de cabeça, tonturas, esgotamento e depressão.

Estima-se que na União Europeia, 14 milhões de trabalhadores sejam vítimas de violência psicológica no emprego de forma continuada e com o objetivo de levar ao autodespedimento. É um fenómeno que está bem estudado na Europa do Norte, em França e no Brasil, mas em Portugal é praticamente tabu. Um inquérito realizado pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Politicas, no ano passado, a 1800 trabalhadores, revelou que 16,7% eram vítimas desta prática, na maioria mulheres.

Em virtude do atual sentimento de insegurança no trabalho, muitas vezes são as próprias organizações a criar situações de agressão com colaboradores ou colegas. “Tal é mais comum em organizações corruptas, onde as relações não estão bem estruturadas e onde se dá lugar a este tipo de comportamentos. Trata-se de um reflexo da instabilidade da organização e do seu mau funcionamento”, sublinha uma psicóloga. É por isso importante pensar numa lógica de prevenção, sendo salutar que as empresas promovam valores relacionados com o civismo, o respeito e a ética. “Devem ter políticas de tolerância zero ligadas a estas questões”.

Este mês proponho-vos um tema que, por ser tabu, é pouco abordado quando se fala de trabalho e carreira. Pesquisem sobre o tema, partilhem opiniões ou situações que conheçam.

Deixo-vos aqui algumas questões que vos podem ajudar a refletir sobre o assunto:

Como prevenir estes comportamentos nas empresas? Há formas de reagir e combater o mobbing?

Cotação: 20% da média da Unidade em estudo.

Esta atividade de Fórum de Discussão permite debater e abordar novas ideias, visa o desenvolvimento e a discussão de temas atuais, no âmbito empresarial.
Aguardo as vossas participações com expectativa, o vosso contributo é muito importante para o sucesso deste fórum!

Sylvie Moreira

Fontes:

http://oinformador.blogspot.pt/2008/07/resistir-ao-mobbing-no-trabalho.html

http://www.rtp.pt/noticias/grande-reportagem/mobbing-terrorismo-no-trabalho_a891700

http://www.maxima.pt/comportamento/detalhe/bullying_ou_mobbing_no_trabalho.html

http://www.cognos.pt/images/mobbing.jpg

 

Fórum Setembro 2016 – Técnicas e Práticas Empresariais (clique aqui)

Ativos Intangíveis – fonte de valor da economia atual

Em contabilidade o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) define a conta 44 Ativos Intangíveis como sendo os elementos incorpóreos de uma empresa, ou seja são ativos não monetários que não possuem substância física.

Atualmente o domínio do conhecimento e a informação são a base de sucesso de grande parte das empresas. Também as pessoas constituem, hoje em dia, um dos ativos não monetários de grande valor para as empresas, assim como o seu trabalho e os processos que desenvolvem.

Imagem1

As entidades possuem diversos recursos intangíveis que representam muitas vezes o seu ativo mais importante e o seu recurso produtivo mais valioso, por exemplo marcas próprias, conhecimento do mercado, carteira de clientes, know-how, patentes, etc.

Tradicionalmente pensamos que o valor de uma empresa está nos seus bens físicos (por exemplo imóveis, terrenos, máquinas, equipamentos ou viaturas), no entanto o valor de uma empresa, atualmente, está todo nos seus ativos intangíveis.

Os ativos intangíveis (como as marcas, o relacionamento com clientes, a propriedade intelectual e o capital humano são difíceis de medir e de gerir mas são determinantes na criação de valor.

De acordo com um estudo realizado a nível global em que participaram cerca de 750 gestores, os fatores determinantes na criação de valor numa empresa são:

  • Satisfação dos clientes
  • Qualidade dos serviços
  • Relacionamento com os clientes
  • Capital humano – qualidade das pessoas que trabalham na empresa
  • Marca e a sua reputação
  • Qualidade das decisões estratégicas
  • Execução eficaz da estratégia
  • Patentes de produtos ou processos de fabrico
  • Relacionamento com os fornecedores
  • Qualidade dos ativos intangíveis

Este mês proponho-vos que identifiquem, no vosso quotidiano, um fator que constitua um ATIVO INTANGÍVEL que tenha de algum modo influenciado a vossa escolha como consumidores, pode ser a pastelaria onde tomam café, aquele restaurante, supermercado/mercearia onde sempre voltam, ou uma marca de telefone, de automóvel, computador, televisor, etc.

Para enriquecer o nosso debate justifiquem e expliquem a razão pela qual consideram a vossa escolha um ativo intangível.

Para participar basta clicar em DEIXE UM COMENTÁRIO, não esquecendo de indicar o seu nome utilizador e curso para que o seu contributo seja avaliado.

Cotação: 20% da média da Unidade em estudo.

Aguardo as vossas participações com expectativa, o vosso contributo é muito importante para o sucesso deste fórum!

Peça Já Informação