PSIC JUN

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Neste mês de Junho, apresentamos um tema interessante e que nos fará a todos pensar um pouco!

A Psicologia do desenvolvimento ou Psicologia Infantil

Crescer é uma tarefa complexa. Para filhos e para pais.
Há birras que não se conseguem controlar, as fraldas que nunca mais passam, mais tarde a preocupação com as más notas e o mau comportamento e vêm os recados na caderneta.

Há fases de grande agressividade com os colegas, desrespeito, alguns isolam-se demasiado e parecem não gostar de si próprios.

Há problemas com a mentira e o querer viver no limite.
Os pais por vezes ficam preocupados sem saber o que fazer.
Os filhos não vêm com manual de instruções, mas é o seu papel ajudar os filhos a resolver os problemas e a crescer feliz.
Para que possam finalmente dormir descansados… Os filhos e os pais.

PSIC JUN_02

Psicologia do desenvolvimento diz respeito ao estudo científico das alterações de comportamento que se verificam na mudança de idade ao longo da vida do indivíduo.

Este ramo da psicologia estuda as mudanças que se verificam com a mudança de idade e dizem respeito a: habilidades motoras, capacidades de solução de problemas, entendimento conceitual, aquisição de linguagem, compreensão da moral e formação da identidade.

Alguns teóricos da Psicologia do Desenvolvimento debruçam-se no estudo de algumas das seguintes questões:

  • São as crianças qualitativamente diferentes dos adultos ou eles simplesmente não têm a mesma experiência dos adultos?
  • O desenvolvimento ocorre através de uma acumulação gradual de conhecimento ou por mudanças de um estágio de pensamento ou outro?
  • As crianças nascem com conhecimento inato ou elas percebem as coisas com a experiência?
  • O desenvolvimento é direcionado pelo contexto social ou por algo dentro da criança?

Diz-se que a idade entre os 1 e os 2 anos é chamada dos “terríveis 2“.[1]

P. R. Newman; Newman, P. R.. Development Through Life : A Psychosocial Approach. [S.l.]: Wadsworth Cengage Learning, 2011. 215-217 p. ISBN 111134468X

PSIC JUN_03

Em termos práticos, podemos dizer que:

Nenhuma criança aprende alguma coisa, seja o que for, sem que uma fonte possa servir de referência. Essa fonte pode ser um  adulto, um irmão mais velho, a televisão, os jogos, etc. Vale a pena esclarecer que a instrução/educação, é o meio pelo qual se aprende qualquer coisa, pode ser negativa ou positiva. E tudo isto é “material”, ou seja informação, para a mente da criança.

Veja-se o exemplo dos jovens, ou mesmo adultos, muitas vezes supostamente esclarecidos, e ainda assim, vulneráveis às correntes negativas, como os vícios pelas drogas, jogo, e outros desvios morais. Agora imagine a mente de uma criança, que é um terreno vazio, ainda sem discernimento algum, um livro com as páginas em branco, onde se pode escrever qualquer coisa.

Maus hábitos aprendem-se primeiro em casa, e depois são aperfeiçoados na rua. Sem predisposição para o assunto, o processo não vai adiante. Assim, e tendo o exemplo, a sugestão, a referência, a incitação que surge ao seu redor, facilmente encontrará na rua o apoio que precisa para dar continuidade à prática na qual já foi iniciado.

Os pais que não se posicionem abertamente contra um mau hábito perante os seus filhos, sendo que eles próprios servem de exemplo, de forma indireta estão a apoiar os desvios comportamentais.

Se a ideologia praticada em casa, pelos pais e irmãos mais velhos não for construtiva, evitando os desvios, as relações sociais lá fora, mais facilmente se encarregarão de contaminar as suas ideias, hábitos e posturas absurdas.

Com bons exemplos em casa, e nesse caso as palavras só, não bastam, nada no mundo lá fora será capaz de desviar a conduta dos nossos filhos. Bom exemplo significa uma boa ética e atitude pessoal, firme posicionamento contra as deformações sociais e manias bizarras, e a presença diária no convívio com os filhos.

Diante de tudo isso, eles estarão encapsulados, blindados, contra o forte assédio das influências negativas que surgem de todos os lados, na sociedade patológica onde vivemos.

Como agir perante a indisciplina?!

Participe e desenvolva, no seu ponto de vista o tema exposto a debate.Se desejar, apresente exemplos representativos do que pretende ilustrar.

 

A PSICOLOGIA INFANTIL

Esta atividade de Fórum permite debater e abordar novas ideias, visa o desenvolvimento e a discussão de temas atuais, relacionados com os temas propostos nas Unidades, no âmbito da formação.

O post de cada formando, não deve exceder a pág. A4 e deve ser enviado até ao final da semana.

A sua participação conta em 20% para a avaliação da Unidade.

Bom Fórum para todos!

Ana Rita