Caros alunos e alunas,

No Fórum deste mês e na continuação do fórum anterior, vamos refletir sobre o papel dos filhos/ou outro cuidador.

Proponho que ponderem sobre este tema, leiam o excelente artigo publicado no jornal Público, e dêem a vossa opinião sobre o tema.

A sua mãe tem alta do hospital. Está totalmente dependente. E agora?

“Três enfermeiras escreveram um guia prático dos cuidados em casa que ensina a lidar com a inversão de papéis. Como o do filho que passa a cuidador.

E quando a filha deixa de ser a pessoa cuidada e passa a ser a cuidadora? O que fazer quando a nossa mãe, que “cuidou, criou, tomou conta da casa, do marido, dos filhos, das sobrinhas, dos irmãos”, subitamente é confrontada com o diagnóstico de um tumor na cabeça já com metástases, uma doença incurável em fase avançada de evolução muito rápida, e que acaba de ter alta do hospital, completamente dependente? “Ninguém está preparado para isto”, admite Diana Maia, uma enfermeira que passou por esta experiência há três anos e que agora, em conjunto com duas colegas, decidiu escrever um livro para ajudar pessoas na mesma situação. Do Hospital para Casa: E Agora?, que este domingo é apresentado em Lisboa,  é, sintetiza, um “guia prático dos cuidados em casa”.

No princípio, quando a mãe veio para casa, Diana confessa que chorou, chorou e chorou. Mas depois percebeu que não se podia “entregar ao fatalismo” e tinha que agir. Foi preciso preparar a habitação, o pai, os outros familiares, pedir ajuda a vizinhos e conhecidos.  A casa de banho teve que ser alterada, era impossível utilizar a banheira. Foi necessário colocar uma cabina de duche, comprar um antiderrapante, um banco apropriado e umas barras laterais de apoio. Todos os tapetes foram retirados para evitar quedas, vários móveis mudaram de lugar, a cama de casal foi trocada por uma cama articulada.